Blog do Itamar

AMOR, ETERNO AMOR

Minha comadre Nevinha anda muito queixosa com o tratamento que vem lhe dispensando o meu compadre Mundinho. Diz que ele não é nem sombra daquele rapaz atencioso de antigamente, que estendia sua camisa branca feito neve para ela passar sobre a poça de lama do Alto do Mateus.

Naquele tempo, quando comadre Nevinha dava uma topada, Mundinho se achegava todo faceiro e delicado, ajoelhava-se aos seus pés, pegava o dedo dolorido e dava um beijo.-Deixa eu beijar, que passa”, garantia.

Agora, quando comadre Nevinha dá a mesma topada, Mundinho se volta e grita: – Tá cega?!

É um problema geral, posso dizer. Raros são os maridos que conservam o lado romântico quando tratam com as mulheres, depois de bodas e mais bodas vividas.

Gilvanzinho está aí para não me deixar mentir.

Quando juntou seus trapos com Jussara, a união dos pombinhos prometia atravessar os estágios da vida e perdurar depois da morte.

Vinte anos se passaram e hoje Jussara leva nome de gorda, mas devolve o galanteio chamando seu amado de “manequim”, referindo-se ao bucho proeminente que chega a descer pelas pernas e cobrir os “pissuidos”.

Ontem Jussara quebrou o pé. Está de bota de gesso. Na volta do hospital, pararam na farmácia para comprar o remédio receitado. O farmacêutico informou que só havia em gotas e que Jussara tomaria uma gota por cada quilo de peso.

-Então pode descer logo três caixas dessas -, mandou Gilvanzinho, no seu jeito delicado de ser.

Quando chegaram em casa, ela, suada e tristonha, lamentou-se:

-Êita, marido, perdemos o carnaval!

-Perdemos não, pois não quebrei pé nenhum -, respondeu-lhe o amado, com a sua inquestionável solidariedade. Ti]ao Lucena

Facebook
Facebook
TWITTER
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/blogdoitamar/www/wp-includes/functions.php on line 3818

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/blogdoitamar/www/wp-includes/functions.php on line 3818