Alzheimer pode ser acarretada por problemas no metabolismo

Um estudo publicado na revista científica Scientific Reports propôs uma nova abordagem sobre o Alzheimer. Segundo os pesquisadores, o desenvolvimento tardio da doença pode ter relação com o metabolismo do corpo do portador. Para eles, o fato do Alzheimer normalmente acometer pessoas de idades mais avançadas, em um momento da vida em que ocorrem diversas disfunções no metabolismo, é a chave para entender a doença.

Um dos motivos de os estudiosos terem associado uma coisa à outra é o fato de que o cérebro é a parte do corpo que mais exige energia e a doença afeta totalmente a sua estrutura. “Nossos resultados sustentam a hipótese de que o comprometimento em múltiplos componentes do metabolismo bioenergético pode ser um mecanismo fundamental, contribuindo para o risco e a fisiopatologia dessa doença devastadora”, afirmou Kai Sonntag, um dos profissionais envolvidos na pesquisa. Junto com Bruce Cohen, membro da escola de medicina de Harvard, ele coordena o estudo.