Bolsonaro faz partido ecológico abandonar causa ambiental

Imposições do pré-candidato já irritam alguns membros do PEN, futuro ex-Partido Ecológico Nacional, que mudará seu nome para “Patriota” para acolher o deputado.

Na expectativa de atrair o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para disputar a Presidência da República em 2018, o PEN (Partido Ecológico Nacional) vai virar Patriota, apagar a causa ambiental de seu estatuto e dar uma guinada à direita.

Seus filiados ficarão proibidos de se coligar com “partidos de extrema esquerda” e deverão ser contra o aborto e a legalização das drogas e se posicionar a favor da redução da maioridade penal e do uso de armas de fogo.

Apesar do novo estatuto, Bolsonaro ainda não se filiou à legenda.

Segundo colocado nas pesquisas mais recentes de intenção de voto numericamente à frente de Marina Silva (Rede) e atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro já disse estar “99%” certo da migração para o PEN.