Saúde

Alerta: Oito municípios do Pajeú estão em risco de transmissão da Doença de Chagas, entre eles Afogados da Ingazeira

O número foi divulgado pelo Programa Sanar, da Secretaria Estadual de Saúde, que cuida de doenças negligenciadas. O Sertão do Pajeú abocanha um percentual assustador, ou seja, 42% dos municípios em risco de transmissão. Tabira, Carnaíba, Iguaraci, Itapetim, Afogados da Ingazeira, Ingazeira, São José do Egito e Serra Talhada reúnem índice alto de infestação dos imóveis pelo vetor, presença de colônia dos insetos nos domicílios ou moradores já infectados e passarão por um programa de prevenção e controle da doença, a qual é transmitida pelo inseto barbeiro.

Alerta: Quatro cidades do Sertão do Pajeú sofrem epidemia de dengue

De acordo com dados levantados pela Secretaria Estadual de Saúde, 26 cidades estão em situação de epidemia por causa da alta incidência da doença, algumas delas do Sertão do Pajeú. : São José do Egito, Itapetim, Iguaraci, e Ingazeira. A pesquisa Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) foi feita para identificar os locais onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor e os principais tipos de recipientes com água parada que servem de criadouros. O índice é feito por amostragem, com a visita em 20% a 100% dos imóveis do município, de acordo com o tamanho da cidade.

Arrancar cabelos pode fazer mais fios crescerem, sugere pesquisa

7gh2smg5bs_ts922tjyg_fileArrancar os cabelos de uma forma específica pode fazer com que mais fios cresçam no lugar, de acordo com um estudo feito nos Estados Unidos.

Os pesquisadores fizeram experiências retirando cabelos de áreas com configurações de densidade distintas. Com isso, eles induziam o organismo a reconhecer lesões com gravidades diferentes e, consequentemente, responder de forma diferenciada sobre o tamanho do cabelo que deveria crescer de novo.

Exercícios físicos ajudam a conter o crescimento de tumores, diz estudo

20150406111135981670e [dropcap]N[/dropcap]ão só para manter as medidas e o preparo físico servem os exercícios. Pesquisas em diversas áreas da medicina têm comprovado benefícios inesperados a quem encontra tempo e disposição para ao menos uma leve caminhada. É o caso do combate ao câncer.

Há experimentos mostrando, por exemplo, que a oxigenação e a vascularização promovidas pela atividade física ampliam a ação de quimioterápicos. Outros detectam melhoras significativas, mas ainda sem explicação molecular capaz de identificar as causas certeiras pelas quais livrar-se do sedentarismo é bom contra a doença.

 

Pesquisa indica que passamos tempo demais sentados no trabalho

sentadoFicar muito sentado deixa metabolismo mais lento e afeta nível de açúcar, pressão e queima de gordura. Se você trabalha em um escritório, provavelmente passa tempo demais sentado – e esse sedentarismo pode trazer sérios riscos à sua saúde.

Uma pesquisa com 2 mil pessoas feita pela organização British Heart Foundation e pelo grupo Get Britain Standing identificou que 45% das mulheres e 37% dos homens ficam de pé menos de 30 minutos por dia enquanto estão no escritório. Mais da metade dos participantes almoça em sua própria mesa, e 78% acreditam que ficam muito tempo sentados. A boa notícia é que quase dois terços se preocupam com impacto disso em suas vidas.

Sedentarismo está ligado a problemas cardíacos, diabetes, câncer e problemas mentais. Especialistas consideram o sedentarismo “um dos maiores desafios” nos cuidados com a saúde. Pesquisas já associaram este comportamento a problemas cardíacos, diabetes tipo 2, câncer e problemas mentais.

muito sentado deixa metabolismo mais lento e afeta nível de açúcar, pressão e queima de gordura. Se você trabalha em um escritório, provavelmente passa tempo demais sentado – e esse sedentarismo pode trazer sérios riscos à sua saúde.

Uma pesquisa com 2 mil pessoas feita pela organização British Heart Foundation e pelo grupo Get Britain Standing identificou que 45% das mulheres e 37% dos homens ficam de pé menos de 30 minutos por dia enquanto estão no escritório. Mais da metade dos participantes almoça em sua própria mesa, e 78% acreditam que ficam muito tempo sentados. A boa notícia é que quase dois terços se preocupam com impacto disso em suas vidas.

Sedentarismo está ligado a problemas cardíacos, diabetes, câncer e problemas mentais. Especialistas consideram o sedentarismo “um dos maiores desafios” nos cuidados com a saúde. Pesquisas já associaram este comportamento a problemas cardíacos, diabetes tipo 2, câncer e problemas mentais.

Comer alimentos com agrotóxico diminui quantidade de esperma, diz estudo

agrotoxicosUm estudo da Universidade Harvard, publicado nesta terça-feira (31) no periódico “Human Reproduction”, apontou que os homens que comeram mais frutas e legumes com altas taxas de agrotóxicos produziam menos espermatozoides.

No grupo dos que ingeriam mais pesticidas, a contagem de esperma foi de, em média, 86 milhões de espermatozoides por ejaculação ante a média de 171 milhões entre os homens que comiam porções menores de agrotóxicos, uma diferença de 49%. Já a porcentagem de espermatozoides ‘bem formados’ foi de 7,5% entre os homens que comiam melhor, contra 5,1% entre os que comiam alimentos mais contaminados – uma variação de 32%.

O levantamento, que levou em conta a análise de 338 amostras de sêmen de 155 homens de 18 e 55 anos coletadas em clínicas de fertilização, mostra diminuição na quantidade na comparação com homens que comem menos agrotóxicos, mas não relaciona mudanças na qualidade do sêmen dos estudados.

Altera quantidade, não qualidade

“Estes resultados não devem desencorajar o consumo de frutas e legumes em geral. Na verdade, descobrimos que a ingestão total de frutas e hortaliças foi completamente alheia à qualidade do sêmen. Isto sugere a implementação de estratégias que visem especificamente evitar resíduos de pesticidas”, afirmou Jorge Chavarro, professor assistente de nutrição e epidemiologia na Escola de Saúde Pública de Harvard, autor do estudo.

Mesmo com lixeiras, praça fica repleta de lixo espalhado pelo chão

SAM_0415A praça Monsenhor Alfredo de Arruda Câmara, bem no coração de Afogados da Ingazeira, um dos pontos de visitação da cidade, sofre com o descaso e a falta de respeito de muitos que utilizam ou passam pelo local. Mesmo com várias lixeiras instaladas em vários pontos, a quantidade de lixo como papel e garrafas pet jogadas no chão ainda é muito grande. O Blog do Itamar França deu uma volta pelo local e constatou a falta de educação e de respeito da população, que insiste em ignorar os cestos próprios para cada material.

Obesidade eleva em até 40% risco de sete tipos de câncer em mulheres

mulherobsesidadeUma pesquisa da organização britânica Cancer Research UK sugere que a obesidade aumenta em até 40% as chances de mulheres desenvolverem sete tipos de câncer. O problema pode aumentar o risco de câncer de intestino, câncer de mama depois da menopausa, de vesícula biliar, rins, pâncreas, útero e câncer de esôfago.

Segundo os pesquisadores, a obesidade pode aumentar o risco de desenvolver câncer de muitas formas. Uma possibilidade é que a doença esteja ligada à produção de hormônios em células de gordura, especialmente o estrogênio.

Acredita-se que o estrogênio seja o combustível para o desenvolvimento de câncer. A pesquisa analisou um grupo de mil mulheres obesas e descobriu que, neste grupo, 274 tinham maior tendência a desenvolver câncer ao longo de sua vida. Os pesquisadores também analisaram um grupo de mil mulheres com o peso considerado normal e descobriram que 194 mulheres tinham chances de ser diagnosticadas com câncer durante suas vidas.

Ibope: 59% dos brasileiros falham na cama

disfuncao_eretil“Isso nunca me aconteceu”. A frase, que mais parece um clichê, é uma realidade na intimidade de muitos brasileiros. É o que revela a pesquisa De Volta ao Controle*, da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), feita em todas as regiões do País, com pessoas entre 40 e 69 anos.

O levantamento mostra que 59% dos homens assumem que já tiveram ou têm algum problema de ereção durante o ato sexual – desses, 12% convivem com a dificuldade de forma recorrente. E os parceiros confirmam a estatística, sendo que 54% disseram que já passaram pela experiência de, ao menos uma vez, o companheiro fracassar na hora “h”. Quanto maior a idade, maior a probabilidade. Setenta e um por cento dos homens com mais de 60 anos ouvidos admitem já ter apresentado ou apresentar episódios de impotência.

Morte por câncer de pulmão pode ultrapassar o de mama se mulheres brasileiras não largarem o cigarro

cancer-pulmaoO câncer de pulmão superou o de mama como a principal causa de morte por câncer em mulheres nos países desenvolvidos. A análise é de pesquisadores da Sociedade Americana do Câncer, em colaboração com a Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC).Essa questão preocupa os oncologistas, uma vez que 11,2% das mulheres brasileiras ainda fumam, de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). Para o oncologista Marcelo Cruz, do Hospital São José, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, o câncer de pulmão é uma doença bastante agressiva. “Se a incidência do câncer de pulmão em mulheres continuar aumentando no Brasil, em breve ele irá superar o câncer de mama em mortalidade, como já ocorre nos países desenvolvidos”.

O que poucos sabem é que as mulheres que fumam têm maiores chances de desenvolver câncer de pulmão quando comparadas com homens tabagistas. De acordo com o oncologista, as mulheres sofrem muito mais os malefícios do cigarro do que os homens. Em geral, elas desenvolvem a doença mais precocemente – próximo dos 50 anos.

Um jovem morre vítima de álcool a cada 36 horas no Brasil

alcoolenergeticoA morte do universitário Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, em uma festa em Bauru, no sábado passado, após a ingestão de 25 doses de vodca, não é uma situação tão incomum no país. Dados levantados pelo jornal O Estado de S. Paulo no portal Datasus mostram que, a cada 36 horas, um jovem brasileiro morre de intoxicação aguda por álcool ou de outra complicação decorrente do consumo exagerado de bebida alcoólica.

De acordo com informações do Ministério da Saúde reunidas no portal, foram registradas em 2012, último dado disponível, 242 mortes na faixa etária dos 20 aos 29 anos causadas por “transtornos por causa do uso de álcool”, conforme definido na Classificação Internacional de Doenças (CID).

Considerando todas as faixas etárias, o número de mortes causadas pelo álcool chegou a 6.944 em 2012, quase o dobro do registrado em 1996, dado mais antigo disponível na base Datasus. Naquele ano, foram 3.973 óbitos associados ao consumo exagerado de bebida. No período, a alta no número de mortes foi de 74%.

Melão de São Caetano consegue matar até 98% de células cancerígenas e também frear o diabetes

610

O suco do vegetal, na concentração de 5% em água mostrou ter um potencial assombroso de lutar contra o crescimento dos quatro tipos de cânceres pancreáticos pesquisados, dois dos quais foram reduzidos em 90%, e os outros em incríveis 98% apenas 72 horas após o tratamento!

Já comentei em outros artigos a respeito da apoptose, que é a resposta natural de um organismo em lidar com células fora do comum – que simplesmente suicidam. O suco induziu essa morte programada por vários caminhos diferentes. Um desses caminhos foi o de colapsar o metabolismo de alimentação por glicose das células doentes, ou seja, privou-as do açúcar que elas necessitam para sobreviver.

Será que esses estudos de laboratório também servem para animais vivos? A resposta é um sonoro “sim”! Pesquisadores da Universidade de Colorado aplicaram doses em ratos que seriam proporcionais a humanos, e eles apresentaram uma redução em 64% do tamanho de seus tumores, sem efeitos colaterais. Esse nível de melhora ultrapassa os alcançados atualmente com o uso de quimioterapia para um tipo de câncer tão letal.

O responsável pela pesquisa na universidade, Dr Rajesh Agarwal, observou o costume chinês e indiano de usar o fruto em remédios para diabetes. Vendo que esta doença tende a vir antes do câncer pancreático, o doutor associou as ideias, criando novos rumos nas investigações existentes.

A dose utilizada foi de seis gramas de pó do melão amargo para um adulto de porte médio (75 quilos). Os grandes laboratórios e companhias farmacêuticas buscam encontrar petroquímicos patenteáveis que obtenham o mesmo resultado que Deus colocou nesse vegetal. Eles ficam boquiabertos como uma planta tão despretensiosa consegue desnutrir o câncer sem precisar de nenhuma química complexa.

No centro médico da Universidade de Saint Louis, a Dra. Ratna Ray, Ph. D. e professora de patologia, liderou pesquisas similares, testando primeiramente em células de câncer de mama e próstata e depois experimentando em cânceres da cabeça e pescoço, que embora representem 6% apenas dos casos, são agressivos e se espalham facilmente, começando por vezes pela boca, garganta, nariz.

Com efeito, após quatro semanas de tratamento controlado em animais, o volume e crescimento dos tumores reduziu. A doutora ressalta: “É difícil medir o resultado exato do tratamento com o extrato de melão amargo no crescimento das células, porém combinado com as terapias e remédios existentes, pode auxiliar na eficácia do combate ao câncer.”

Pesquisadores descobriram recentemente que a síndrome metabólica é amenizada pelos benefícios no metabolismo glicólico. Ótimas notícias, pois não se destrói o câncer por uma via só, e eu acredito que deve ser multifocal: em outras palavras, fortalecer o sistema imunológico, desintoxicar, eliminar infecções dentais e materiais tóxicos dos dentes, alcalinizar o organismo, oxidar o corpo com terapia com oxigênio, e prover nutrientes específicos para dar uma “chave de braço” nos caminhos particulares do metabolismo do câncer.

Todas as células cancerosas mostram uma produção anormal de energia que utiliza fermentação ineficiente de glicose. O melão amargo pode ser um excelente aliado ao combate dessa produção de energia anormal. Você pode encontrá-lo na maioria das lojas naturais ou comprar online. (Fonte: eCycle.)

25 gramas são o máximo de açúcar que se pode ingerir por dia

açucar-208x250A inocente sobremesa depois do almoço já não é mais tão inocente assim. Diante dos comprovados prejuízos que o excesso de açúcar tem provocado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu uma nova diretriz: incentivar os países a reduzirem o consumo de açúcar para até 5% da dieta diária da população.

Na vida prática, isso significa consumir no máximo 25 gramas do doce por dia, algo em torno de 6 colheres de chá ou um pouco menos do que duas colheres de sopa. Pareceria uma quantidade razoável se o órgão considerasse apenas a adição de açúcar que fazemos no dia a dia, como no cafezinho.

Mas a indicação da OMS engloba também o açúcar “escondido” nos alimentos industrializados e feitos em casa, como biscoitos, bebidas, bolos, e, ainda, naqueles açúcares naturais presentes no mel, em xaropes, sucos de fruta e concentrados de fruta. Uma latinha de 350 ml refrigerante, por exemplo, chega a ter quase 40g.

Fundação Altino Ventura bate recorde de atendimentos no Pólo Flores

Ônibus-Cirurgico.31-10-11-002A Unidade Móvel Cirúrgica Inácio Cavalcanti, da Fundação Altino Ventura, bateu novo recorde de atendimentos na última caravana realizada no município de Flores. É o que noticia a Assessoria de Imprensa da Fundação em seu Portal. Veja a matéria:

Ao todo, foram realizados 132 procedimentos cirúrgicos no Polo Flores, que engloba as cidades de Flores, Triunfo, Santa Cruz da Baixa Verde, Betânia e Carnaíba. O feito foi garantido pelo cirurgião Eduardo Callou, com assistência da especializanda Luana Paula Nogueira. O Marco anterior era de 128 procedimentos cirúrgicos realizados, por Dr. Wagner Lira no Polo Salgueiro, em 2011.

O projeto inicia um novo ciclo de articulações realizadas pela Coordenação de Projetos, que articulou com as cidades atendidas um planejamento para os Consultórios Móveis casado com datas pré-agendadas de cirurgias na Unidade Móvel. “Este projeto é a prova de que um trabalho em equipe, monitoramento e muita dedicação resultam em superação e satisfação no atendimento dos nossos pacientes” afirmou Guibson Trindade, coordenador de Projetos Sociais e Unidades Avançadas.

A equipe foi composta pelos Enfermeiros Emanuel Marcelo e Dayvison Amaral, Técnicos de Enfermagem Adriana Santos, Adriana Vilaça, Claudiano Alves, Getúlio Felizardo e Reginaldo Gonçalves. Articulador Social Diogo Couto, Assistente Oftalmico Francisco Nicolau, Motorista Alexandre Bezerra,Higienista Eronildo Firmino.

A Unidade Móvel Cirúrgica tem mais de 22 mil cirurgias e completará 12 anos de trabalho no próximo mês de março.

São José do Egito, Sertânia e Custódia com grande incidência de dengue

dengueDe quatro de janeiro a 21 de fevereiro deste ano foram notificados 3.571 casos de dengue em Pernambuco, 481 deles confirmados, em 115 municípios. Os números apresentados nesta quarta-feira pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) mostram um crescimento de 150,60% em relação ao mesmo período no ano passado, quando foram notificados 1.425 casos e confirmados 431. Atualmente, quatro óbitos estão sob investigação, uma quantidade 73% menor que os 15 casos suspeitos e 12 confirmados em 2014. Até o momento, o estado não registrou nenhum caso autóctone de febre chikungunya. Este ano, dos 48 casos suspeitos, 39 foram descartados e nove estão sob investigação. Entre os descartados, 14 deram positivo para dengue. Em 2014, foram quatro confirmações, todas importadas.

Em todo o estado, os 10 municípios com maior incidência (número de casos por 100 mil habitantes), no período compreendido entre as semanas epidemiológicas 52 de 2014 (21/12) e 07 de 2015 (21/02), foram: Custódia (314,90), com alta incidência; Inajá (256,11), Sertânia (224,39), Ibimirim (214,77), Chã de Alegria (144,98), Surubim (129,54), Frei Miguelinho (119,71) eSão José do Egito (117,51), com média incidência; e Recife (96,92) e Passira (93,00) com baixa incidência. Os municípios com o maior número de notificações são: Recife (1.559), Jaboatão dos Guararapes (247), Petrolina (151) e Camaragibe (133), totalizando 2.090. Foram notificados nove casos de dengue com agravamento. A Online

Violência pode provocar câncer, doenças mentais e obesidade

medicoO fenômeno da violência interpessoal (quando uma pessoa lesiona outra intencionalmente) é considerado pela OMS como um problema de saúde pública disseminado em todo o mundo e que pode ter severas consequências em longo prazo. Segundo o relatório, uma de cada quatro crianças foi vítima de abusos físicos (a cifra cresce até três entre quatro se for contemplado outro tipo de abuso), uma de cada três mulheres foi atacada física ou sexualmente pelo parceiro, enquanto um entre cada 17 idosos foi maltratado nos últimos 30 dias.

Além das consequências imediatas (ferimentos, maus-tratos, dias perdidos de trabalho ou escola), segundo o relatório “a violência contribui para que a má saúde se prolongue durante toda a vida -especialmente no caso das mulheres e das crianças- e para uma morte prematura”. O documento acrescenta que “muitas das principais causas de morte, como as doenças coronarianas, os acidentes vasculares cerebrais, o câncer e a AIDS estão estreitamente vinculadas com experiências de violência por meio do tabagismo e do consumo indevido de álcool e drogas e pela adoção de comportamentos sexuais de alto risco”. Também enumera outras consequências, como transtornos do sono ou da alimentação (anorexia, obesidade), depressão e ansiedade, gravidezes involuntárias e diabetes.

Dormir demais é mais prejudicial à saúde do que dormir de menos

como-dormir-melhor-250x189Gregg Jacobs, especialista do Centro de Transtornos do Sono da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, afirma que estudos dos últimos dez anos indicam que este não é o tempo ideal de sono para se manter saudável.

“Houve cerca de 34 pesquisas – estudos epidemiológicos que acompanham as pessoas durante um tempo, envolvendo mais de dois milhões de pessoas, e que mostram de forma consistente que há uma relação entre duração do sono e mortalidade”, afirma.

Segundo Jacobs, o nível mais baixo de mortalidade corresponde a sete horas de sono. “Então, quando você dorme menos do que sete horas ou mais do que sete, há um aumento gradual no risco de mortalidade, com pessoas que dormem mais mostrando um aumento maior no risco do que as pessoas que dormem menos”, conclui o cientista.

Prática de sexo oral sem camisinha pode causar câncer de boca

8_657 [dropcap]S[/dropcap]exo oral sem camisinha faz a boca entrar em contato com fluídos e com a mucosa dos órgãos sexuais que podem causar doenças sexualmente transmissíveis e, consequentemente, câncer de boca. E por ser uma prática mais comum para os jovens, têm sido eles as principais vítimas dessa doença. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de boca é o quinto mais comum no país para o sexo masculino.

“Infelizmente, a maioria das pessoas associa o uso dos preservativos apenas à gravidez e não às doenças sexualmente transmissíveis, como o câncer de boca e o HPV, o que faz esse quadro ter apresentado um aumento de casos nos últimos anos”, diz Emanuel Rocha Barganha, dentista especializado em estomatologista.

Cuba descobre variante mais agressiva e preocupante do vírus HIV

HIVEspecialistas em saúde de Cuba detectaram há alguns anos algo diferente e pouco comum nos pacientes com o vírus do HIV no país: eles desenvolviam a Aids de uma forma extraordinariamente rápida.
Tão rápido que, em menos de três anos, já se encontravam muito doentes, sem praticamente tempo de perceberem que tinham o HIV.

Um grupo internacional de cientistas chegou para investigar a situação e concluiu que, realmente, em Cuba existe uma variante do HIV que é muito mais agressiva. “Sabemos que 144 pacientes têm essa linhagem do vírus, mas com certeza há mais gente. Isso é só o que conseguimos contar”, disse à BBC Anne Mieke Vandamme, da Universidade Leuven, da Bélgica.

Vandamme, cujo trabalho foi publicado na revista EBioMedicine, explicou que se trata de uma linhagem do vírus que foi originalmente descoberta na África. “Ela foi parar em Cuba por meio das relações dos cubanos com a África. Ainda que não tenhamos conhecimento de que a linhagem tenha se disseminado pela África, ela tem se disseminado em Cuba”, acrescentou.

Exame para detectar tuberculose torna diagnóstico 100% mais rápido

tuberculose-178x250O exame para diagnosticar a tuberculose ficou 240 vezes mais rápido no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto graças a uma técnica que permite a identificação, quase que imediata, da micobactéria causadora da doença. O tempo de análise passou de oito horas para apenas dois minutos por meio da tecnologia Point of Care Test (Poct).

O método tem a mesma lógica dos testes feitos para verificação do vírus HIV, com o uso da saliva. No caso da tuberculose, no entanto, a amostra usada na testagem rápida é colhida de uma cultura bacteriológica, por isso ainda há a necessidade de ser feito em laboratório.

De acordo com Valdes Bollela, professor da Divisão de Moléstias Infecciosas e Tropicais do Departamento de Clínica Médica, pesquisadores asiáticos e brasileiros estudam meios para que o exame seja feito diretamente com os fluidos do paciente. “É a ideia de ter um teste que seja feito com o menor recurso tecnológico e o mais rápido possível. O exemplo clássico disso são exames de malária e HVI, que podem ser feitos fora até do próprio hospital. O da tuberculose ainda não está assim”, explicou. Ele destaca que, por ser uma doença infecciosa, o diagnóstico torna-se ainda mais importante. “É a chave de interromper a cadeia de transmissão da tuberculose”, declarou.